Archive | Audios

O CRIME

A motivação: ambição, ganância A premeditação foi reconhecida pelo júri e expressa com clareza na sentença: “ajustando com terceira pessoa  o cometimento do delito“   O crime:  Um ator medíocre, em busca do estrelato. Escolhido para um papel secundário na novela das 21 horas, onde faria o elemento atrapalhador do romance de Yasmin (Daniella Perez) e […]

110

A adulteração da placa

A perícia classificou como “perfeita”a adulteração da placa do carro dirigido pelos assassinos, transformando o L em O.  No dia do crime, Guilherme de Pádua foi ao estúdio dirigindo o carro do sogro, e não o seu. Clique na imagem para ver em tamanho grande: O perito Mauro Ricart fala sobre a adulteração da placa […]

50

O matagal e a prova de visibilidade

O lugar onde os assassinos atiraram Dany, depois de a apunhalarem por 18 vezes, hoje é uma área incorporada à cidade. Na época, era um matagal ermo, sinistro, sem nenhuma iluminação. Na noite em que a encontraram, os carros da polícia tinham que manter os farois acesos, para que se pudesse enxerga-la. Tanto que o […]

67

Prisão e confissão II

O delegado Cidade de Oliveira conta o interrogatório de Guilherme de Pádua na DP, (depoimento na ALERJ), e a confissão de Paula (hoje Paula Nogueira Peixoto)              

4

Paula Thomaz: como se chegou a ela?

Ao passar pelo local para anotar a placa dos dois carros parados em local tão ermo e suspeito, o advogado Hugo da Silveira pôde ver claramente o rosto da mulher sentada no banco do carona do santana. E a descreve para a polícia, na mesma noite do crime, como uma mulher de rosto redondo e […]

18

Armando a mão de Paula Thomaz

Conhecendo bem a violencia de que  Paula Thomaz era capaz,  a inveja patológica que sentia por Daniella e seu histórico em agredir e ameaçar de morte àquelas que considerava rivais, a ponto de, por causa disso  ter sido proibida de entrar no submundo da galeria Alaska, Guilherme de Pádua manipulou , para despertar nela o […]

25

As muitas versões de Guilherme de Pádua – Confissão

O assassino contou muitas versões. Conduzido à delegacia, negou o crime durante 7 horas, e tentou corromper o delegado, propondo que considerasse o caso não como assassinato, mas como assalto seguido de morte. Confessou, então,  que havia levado  a bolsa de Daniella para simular assalto. Vale lembrar que a bolsa e os dólares que estavam […]

42

Porque a polícia falou de magia negra?

Essas desconfianças não surgiram do nada. As ligações de Guilherme de Pádua e Paula Thomaz com a magia eram bem conhecidas, e deixaram rastro na maneira como o crime foi cometido. Isso não tem nada a ver com a motivação, só diz respeito à forma ritualística como executaram o assassinato. Os  indícios impressionaram peritos e policiais, […]

113

Hugo da Silveira – a testemunha chave

Não fosse Hugo da Silveira, é bem possível que nunca tivéssemos chegado aos assassinos de Daniella: a capacidade de dissimulação dos criminosos, a determinação deles em escapar da punição, a ausencia de remorso e  culpa, características de suas personalidades de psicopatas, com certeza teriam permitido que continuassem a conviver conosco, “irmanados à nossa dor”, como […]

24

O roubo das bolsas: aliança e dólares

  Daniella costumava andar, no dia a dia, com duas bolsas, e estava com elas no momento em que foi emboscada e morta. Como as bolsas não foram encontradas, chegamos a pensar, num primeiro momento, que ela tivesse sido assaltada, morta e atirada naquele matagal. Ela havia almoçado comigo, e saiu lá de casa com […]

59

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes