Comportamento na Prisão – Guilherme de Pádua

A exemplo da cúmplice, Guilherme de Pádua protagonizou, na cadeia, escândalos e tumultos. A ponto de  ter sido transferido da 16a DP, para que se restabelecesse a ordem na delegacia, depois das denúncias de um companheiro de cela, que o acusou de participação na tentativa de fuga empreendida pelos presos e, inclusive, de ameaça-lo de […]

15

As muitas versões de Guilherme de Pádua – Confissão

Guilherme de Pádua contou muitas versões. Conduzido à delegacia, negou o crime durante 7 horas, e tentou corromper o delegado, propondo que considerasse o caso não como assassinato, mas como assalto seguido de morte. Confessou, então,  que havia levado  a bolsa de Daniella para simular assalto. Vale lembrar que a bolsa e os dólares que […]

39

As muitas versões de Guilherme de Pádua – o video e a testemunha visual

Paulo Ramalho começou por contestar os laudos periciais que incriminavam o cliente, pedindo que fossem anulados. Não conseguindo, tentou dar credibilidade às calunias contidas na confissão do assassino, fazendo entrar em cena a testemunha visual: Jochen Hick, um alemão que veio ao Brasil dirigir o filme gay Via Appia, estrelado por Guilherme de Pádua, seria […]

11

A arma do crime não foi tesoura: foi punhal

Desde o início das investigações, os peritos deixaram muito claro que a arma do crime não foi uma tesoura: foi  punhal. O laudo da perícia revela que os ferimentos que atingiram Daniella foram feitos por instrumento-pérfuro cortante com dois gumes. As perfurações encontradas na blusinha de malha que ela usava, mostram que o instrumento não […]

15

Mais dissimulação: as roupas

Assim como adulteraram a placa do carro para o cometimento do crime, Guilherme de Pádua e Paula Thomaz também tentaram enganar a perícia, quando as roupas que usaram para cometer o assassinato foram solicitadas. As de Paula Thomaz, então, nem chegaram lá! Veja o documento onde a perícia acusa o recebimento das roupas trocadas Durante […]

9

Paula Thomaz: Alice no país da impunidade

Tendo admitido para os policiais o seu envolvimento no crime, é levada para a delegacia, em companhia da mãe e de uma amiga. Vai simulando estar prestes a abortar. Em razão disso, os policiais pararam o carro que as conduzia no páteo ao lado da delegacia, evitando expo-la à multidão que se aglomerava ali, gritando […]

15

Porque a polícia falou de magia negra?

Essas desconfianças não surgiram do nada. As ligações de Guilherme de Pádua e Paula Thomaz com a magia eram bem conhecidas, e deixaram rastro na maneira como o crime foi cometido. Isso não tem nada a ver com a motivação, só diz respeito à forma ritualística como executaram o assassinato. Os  indícios impressionaram peritos e policiais, […]

104

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes