As muitas versões de Guilherme de Pádua – o video e a testemunha visual

Em mais um esforço para adiar o julgamento e confundir a opinião pública, o defensor do assassino, Paulo Ramalho, fez entrar em cena uma “testemunha visual”: Jochen Hick, um alemão que veio ao Brasil dirigir o filme gay Via Appia, estrelado por Guilherme de Pádua, teria testemunhado o assédio de Daniella e, mais do que isso: insinuava que seria, também, uma testemunha visual do crime!  Como de costume, a nova “bomba”lançada pela defesa agitou o noticiário

O juiz requisitou um tradutor juramentado e mandou carta precatória para a Alemanha, mas não se conseguia localizar Jochen Hick. A artimanha fez com que o processo ficasse parado durante alguns meses. Mas eu não fiquei parada: consegui o endereço de Jochen, e escrevi para ele uma carta que meus vizinhos alemães traduziram para o alemão. Aqui está ela:

Rio de Janeiro, setembro de 1994

Caro Jochen

Finalmente, depois de tanta procura, chego a você. Consegui, com amigos alemães, uma cópia do filme Via Appia e, pelos créditos. localizei pessoas que participaram da equipe de filmagem. Através delas encontrei o Marcos e, finalmente, você.

Antes de mais nada quero agradecer a presteza com que respondeu ao meu apelo e se colocou à disposição da justiça, para esclarecer todas as dúvidas. O que acontece é que seu nome foi envolvido -de maneira bastante contundente- no assassinato de minha filha Daniella. Era uma menina de 22 anos, e foi literalmente trucidada por Guilherme de Pádua, que fez um dos papeis do seu filme. Esse monstro e sua mulher emboscaram minha filha num posto de gasolina, espancaram, apunhalaram 18 vezes, jogaram seu corpo num matagal e fugiram lhe roubando a bolsa.

Aberto o processo, o criminoso deu seu nome à justiça brasileira, dizendo que Jochen Hick podia prestar esclarecimentos essenciais para a elucidação dos fatos, chegando, inclusive, a sugerir que você tenha sido uma testemunha ocular do crime. Para que possa ver isso com seus próprios olhos, estou lhe mandando uma cópia de uma das muitas páginas do processo que falam de você. A que vai anexa, pertence a uma petição em que a defesa de Guilherme de Pádua pede que o processo seja suspenso até que você seja encontrado.

Quando localizei Renato Drummond, ele me disse que conversou com você por telefone ao ver seu nome no noticiário, e que você havia se demonstrado absolutamente surpreso com o envolvimento de sua pessoa nesse caso torpe,porque perdera inteiramente o contato com Guilherme de Pádua após a conclusão do filme, não vinha ao Brasil há bastante tempo e nunca tinha visto nem ouvido falar de Daniella Perez, cuja foto havia visto nos jornais europeus que noticiaram o crime.

Se é assim, por favor mande uma declaração por escrito, para que ela tenha valor diante da justiça brasileira. Dessa declaração devem constar seu nome completo, endereço, identidade e firma reconhecida.

Não lhe peço mais que a verdade, Johan. E se é verdade tudo o que ouvi de Renato Drummond, me ajude a fazer Justiça

Aguardo com muita ansiedade uma resposta sua

Gloria Perez

Jochen Hick respondeu de pronto, indignado, e assim foi esclarecida a manobra. Em conformidade com nossos estranhos costumes, Paulo Ramalho não deu  explicações e nem sequer foi cobrado, pelo fato de ter  mentido, falsificado e obstruído o andamento da justiça. Simplesmente deixou de falar no assunto. E ficou por isso mesmo.

Mas não parou por aí. Lançou mão de outro recurso para  continuar tumultuando e confundindo: entrou com a historia do video: sob os flashs dos fotógrafos, Ramalho brandia uma fita cassete que, segundo ele,  continha provas incontestáveis que comprovavam a veracidade da versão contada na policia por Guilherme de Pádua. Os jornais especulavam sobre o conteúdo da fita, enquanto eu o desafiava a mostra-la. É claro que esse tipo de espetáculo não se sustenta por muito tempo. Quando a imprensa cansou de focalizar a fita misteriosa e de perguntar a Paulo Ramalho sobre seu conteúdo, sem obter resposta, ele partiu pra novas pirotecnias. No dia do julgamento não se falou do assunto!

Compartilhe
Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn0Email this to someone

, , , , , , , , ,

No comments yet.

Leave a Reply

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes