Hugo da Silveira – a testemunha chave

Não fosse Hugo da Silveira, é bem possível que nunca tivéssemos chegado aos assassinos de Daniella: a capacidade de dissimulação dos criminosos, a determinação deles em escapar da punição, a ausencia de remorso e  culpa, características de suas personalidades de psicopatas, com certeza teriam permitido que continuassem a conviver conosco, “irmanados à nossa dor”, como simularam fazer quando foram nos abraçar e prestar solidariedade na madrugada do crime.

Hugo da Silveira, advogado aposentado, morava em  Porto Seguro (BA). Estava no Rio para passar o natal em casa da filha, moradora do condomínio mais próximo do matagal onde os assassinos atiraram o corpo de Daniella. Naquela noite , Hugo voltava com os netos e, por volta das 21.30, passou pelo local. Foi a mão de Deus, como disse Arthur Lavigne, até porque, ele poderia ter chegado ao condomínio por outro caminho que não aquele:

avistou dois carros estacionados, um santana e um escort, um atrás do outro, sendo que tal fato lhe chamou a atenção por estarem seus ocupantes naquele local ermo; que o depoente ficou preocupado e chegando em casa tentou obter uma arma com sua filha, mas não possuindo uma, retornou com o caseiro que passou a dirigir o veículo tendo o depoente a seu lado

Hugo conta seu retorno:

que os veículos ainda se encontravam na mesma posição, voltados para a avenida das Américas, e neste momento anotou a primeira placa do primeiro veículo santana, pela parte traseira, cujas letras se recorda serem OM; que o depoente foi mais adiante e retornou por uma rua, digo, pelo mesmo caminho objetivando verificar agora a placa do escort, tendo esse retorno demorado no máximo um minuto;

A passagem de Hugo faz com que os assassinos se apressem em correr dali, desistindo do esforço de arrancar a placa do carro de Daniella, que certamente planejavam abandonar em outro local.

Continua o depoimento de Hugo:

que o depoente conseguiu anotar a placa do escort, veiculo que estava sem passageiros mas observou que no santana haviam duas pessoas, uma mulher no banco do carona e o vulto do motorista que parecia ser um homem; que o veículo do depoente estava com os farois acesos e os farois do santana também foram acesos um pouco antes de o depoente passar com o motorista em seu veículo; que a luz dos farois do santana refletiram no carro da frente, na traseira do escort, e clareou o interior do veiculo santana; que a rua é muito estreita, e o veículo do depoente passou uns cinquenta a oitenta centímetros de distancia do santana; quue nesse momento observou o vulto do motorista e de uma mulher sentada no banco do carona; que o depoente viu bem o rosto da mulher, mas o do homem não deu para perceber

De volta ao condominio, com as placas anotadas, moradores do condominio receosos reunidos na portaria, um deles, Antonio Carlos Curado, liga para a policia. Aqui, um trecho do depoimento de um dos PMs que atenderam ao chamado, explicando em depoimento na ALERJ, o porque da polícia ter sido acionada:

Ali, naquele dia 28, Antonio Carlos Curado veio falar comigo. Contou que um morador tinha anotado a placa dos veiculos estacionados ali. Chamei o delegado Cidade, que foi até o condomínio, acordou  Hugo -já era de madrugada, e ele estava de viagem marcada para a manhã seguinte.  Hugo prestou o primeiro depoimento na sala da sua casa, fornecendo aos policiais a placa de carro que identificaria os assassinos. Ele anotou a placa adulterada: OM115.

Da casa de Hugo os policias foram até a Tycon. E lá, pelo registro de entrada e saída dos carros, identificaram o santana de Guilherme de Pádua: LM115. Logo o OM ficou explicado, quando a pericia detectou que Guilherme de Padua tinha adulterado a placa para cometer o crime, transformando o L em O.

Hugo da Silveira voltou para Porto Seguro.  No retorno, parando em um hotel para descansar, viu o noticiário sobre o crime:

que o depoente viu no Jornal Nacional cenas da novela e pode observar que aquela pessoa, ou seja, aquela mulher que estava sentada no banco do carona não era a atriz Daniella Perez. Que cinco ou seis dias depois, o jornal O Globo, de sábado ou domingo,  publicou uma foto de Paula Thomaz; que o depoente verificou, com certeza, que era a mulher que ali estava no interior do santana (…)  que o depoente então comunicou-se com a filha e foi marcada sua presença para a oitiva  na delegacia da circunscrição da Barra da Tijuca.

Depoimento de Hugo da Silveira no Tribunal do Juri, contando a passagem pelos carros:

Tribunal do Juri: Hugo da Silveira conta como identificou Paula Thomaz:

Hugo da Silveira prestou depoimento na polícia, na justiça e no dia do julgamento de Paula Thomaz. Veio muitas vezes de Porto Seguro, por conta própria, fazer o que sua consciencia mandava que fizesse. Num país onde as pessoas comumente fogem de testemunhar um crime, seja por medo de represálias, seja pela maneira desrespeitosa como se permite que sejam tratadas, Hugo é um exemplo de cidadania e solidariedade humana.

Obrigada, Hugo: lhe devo tudo!

Compartilhe
Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on LinkedIn0Email this to someone

, , , , , , , , , ,

21 Responses to Hugo da Silveira – a testemunha chave

  1. Weverson 29/12/2016 at 2:37 am #

    A vida tem coincidências inexplicáveis ou quase inexplicáveis, pois Deus conseguiria explicá-las facilmente, mas somente ele. Não há o que eu possa dizer à Glória que possa confortá-las, pois nada pode ser pior do que a perda de um filho de forma tão criminosa. Mas tenho certeza que Deus está cuidando bem do coração dela. Mas quero falar de uma coincidência relacionada à Daniella. Bom, o Dr. Hugo disse que não acompanhava novelas e, por isso não conhecia a Daniella. Eu, pelo contrário, sou noveleiro desde pequeno e a conhecia muito bem. Era uma moça linda. Eu tenho uma afilhada que, na época do crime, tinha 10 anos de idade. Aliás, completou 10 anos no dia do crime. Se temos sósias realmente espalhados pelo mundo, essa minha afilhada é sósia da Daniella Perez. Todo mundo sempre disse que as duas eram idênticas. Naquela época a semelhança era algo assustador. Agora um pouco menos, pois minha afilhada engordou um pouco depois da gravidez. Coincidentemente, minha afilhada, sósia de Daniella, nasceu no dia 28/12/82 e Daniella faleceu exatos dez anos depois, no dia 28/12/92.

  2. Marcelo França Fernandes 19/09/2016 at 2:08 am #

    Dr. Hugo da Silveira, meu avô, faleceu em 1º de maio de 2011. Fico feliz que ele tenha tido a coragem e tenha feito a diferença na vida dessa jovem moça e de sua família.

  3. Cesar Roberto do Carmo Ferreira 10/07/2016 at 6:56 pm #

    28 de dezembro de 1992 foi a data do assassinato da atriz Daniella Perez.Com enorme tristeza, eu lembro esse caso.Sinto profunda dor pelo que aconteceu mesmo hoje, quase 24 anos depois.
    Lembro como se fosse hoje.Tenho a mesma dor que teria se fosse um parente meu.Dou minha solidariedade à escritora Glória Perez, mãe de Daniella Perez.

    Cesar Roberto do Carmo Ferreira
    cesarcarmo052@gmail.com
    10 de julho de 2016

  4. Adriano 13/02/2015 at 5:06 pm #

    Essencial esse Senhor Hugo da Silveira, não deixou qualquer dúvidas….
    Que o Deus possa abençoar grandemente…

  5. maria helena de almeida 11/08/2012 at 10:16 pm #

    somente 15 meses depois, consigo realizar que ele se foi (mas continua aqui), a vida sem ele é um vazio imenso, uma pessôa tão justa, tão correta, tão íntegra, não poderia ter nos deixado tão cedo.Nem seu email ainda consigo excluir de minha vida, talvez por sentir que ele ainda está aquí. Nem sei porque estou escrevendo isso hoje, mas talvez seja por ver que são pessoas que se importam. A saudade é muito grande e dói muito.

  6. jadielson 10/02/2012 at 5:52 pm #

    Já conhecia Dr Hugo em Porto Seguro, desde da época do restaurante Aconchego, e, quando fiquei sabendo se tratar dele, a principal testemunha que levou este casal de delinquentes à cadeia, muito me orgulhei de tê-lo conhecido pessoalmente. O mesmo, por várias vezes se emocionou em mencionar o caso. Parabéns a quem postou este material.

  7. Yasmin Villefort 03/06/2011 at 6:01 pm #

    É eu tbm não achei nada e gostaria de saber detalhes, ele foi fundamental no caso da Dany, ele foi 10.

  8. Megg 03/06/2011 at 2:44 pm #

    Gente, o Dr. Hugo morreu?! Eu não sabia. Procurei na internet e não achei nada, se alguém souber detalhes e quando foi, posta aqui. Abraços.

  9. Gabriella Aride 07/05/2011 at 6:30 pm #

    Obrigada por informar Fabiano, eu não sabia disso, que triste, sei que isso tem que acontecer um dia com todos, mas tem pessoas que deveriam viver pra mais de 100 anos, pessoas boas, cidadãos exemplares como Dr. Hugo, pessoas que ainda se compadecem do sofrimento alheio, pessoas que fazem esse mundo valer a pena apesar de tudo, da mesma forma que a nossa querida Dany Perez, uma pessoa iluminada, que lutava por justiça, era sincera e só gostava de tudo às claras, tenho certeza de que se fosse a Daniella no lugar do Dr. Hugo, passando por um local e visse uma situação suspeita, acredito que ela agiria também, anotaria as placas, alguma coisa, ela era uma pessoa muito justa.
    Sem o Dr. Hugo, seria tudo bem mais difícil. Luto por vc também Dr. Hugo, paz para a sua família.

  10. Fabiano Figueiredo 07/05/2011 at 1:14 pm #

    Acabei de tomar conhecimento, pelo jornal O Globo, do passamento do ilustre Dr. Hugo da Silveira. Que a sua nobre alma descanse em paz ao lado da alma daquela a quem ele ajudou a fazer justiça e que tanta gratidão deve ter por ele.

  11. Gabriella Aride 01/04/2011 at 12:41 pm #

    Nossa, concordo geral com vcs, dr. Hugo foi 10. Ele foi fundamental. Imagino que os assassinos devem ter ficado com a maior raiva dele.

  12. Megg 31/03/2011 at 11:47 pm #

    Dr. Hugo, um Cidadão, com “c” maiúsculo, ele poderia muito bem ter passado pelo local, visto os carros e deixado pra lá, geralmente funciona o “eu não tenho nada a ver com isso”. A Irene bem citou aqui, ele foi fundamental, anotou as placas e viu a Paula. E realmente, acho que neste momento a Dani já estava morta sim Irene, concordo com vc.
    Essa frase da Palewa diz tudo: “Este homem foi uma espécie de “anjo” dirigido ao matagal para assegurar que a justiça fosse feita para a Dany.”

    Abraços a todos.

  13. Irene Ribeiro 30/03/2011 at 1:28 pm #

    Dr. Hugo não conseguiu impedir o crime, mas se não fosse ele, acho que essa história não teria dado em nada, pq ele foi fundamental, passou pelo local no exato momento, anotou as placas e viu a Paula. Sei que os frentistas viram a emboscada, mas eu acho que eles não iriam falar nada, uma vez que estavam com medo e só falaram mediante muita insistência da Glória. Mas mesmo que o Dr. Hugo tivesse saltado do carro e ido até lá ver de fato o que estava acontecendo, ele não teria infelizmente como salvar a Dani pq creio que a essa altura ela já estava morta e eles estavam apenas desovando o corpo.

  14. Palewa Merçon 16/12/2010 at 8:05 pm #

    Vc deve e muito a esse homem mesmo Glória. Espero que ainda tenha contato com ele, pois sem a ajuda dele, com certeza teria ficado muito mais difícil chegar aos assassinos. Este homem foi uma espécie de “anjo” dirigido ao matagal para assegurar que a justiça fosse feita para a Dany.
    Fico extremamente comovida com pessoas como o Sr. Hugo. Vivemos hoje uma era de banalização da violência. Saímos de casa como possível vítima e retornamos como sobrevivente e em alguns casos como herói, por termos nos safado de situações difíceis. Nesta era moderna, de incentivo ao consumismo, da globalização, de fome, de desemprego, onde poucos têm voz ativa, pode haver um fator relevante que poderia ajudar no combate à violência e que está ao alcance de qualquer cidadão, é a solidariedade humana.
    Hoje, ao contrário de um passado de algumas décadas, a solidariedade humana passou a estar cada vez mais distante do ser humano, agora mais habituado e até treinado a viver como uma ilha disputando todos as vantagens e espaços com os outros cidadãos e portanto seres humanos. Vemos o nosso semelhante como um inimigo e não como nosso irmão. No trânsito temos exemplos de falta de cortesia, onde muitos procuram levar sempre vantagens, ignorando as situações de trânsito difíceis que o outro porventura estiver enfrentando num determinado momento. Nos locais públicos onde filas se formam para atendimento, sentimos profundamente a falta de respeito ao próximo, o sentimento claro de se levar vantagem sobre o outro. Na ocupação de lugares em transporte coletivo ou locais de entretenimento, onde não haja assentos numerados, a disputa pelos mesmos chega a ser ridícula. E por aí vai…
    Por que agimos assim se até os animais se respeitam e eles não são racionais como nós? Vejamos o caso dos gansos que vivem em formação e lutam pela sobrevivência juntos. Quando um ganso fica doente ou é ferido por um tiro de um caçador desalmado e cai, dois gansos saem em formação e o acompanham para ajudá lo e protegê-lo. Ficam com ele até que consiga voar novamente ou morrer. Que belo exemplo de solidariedade!
    Será que desaprendemos a arte de agir e só sabemos reagir? Ou seja, se alguém nos trata bem, retribuímos, senão é irrelevante para nós? Será que, se adotássemos a postura de respeitar o nosso semelhante e olhar para ele como nosso irmão, solidarizando-nos, a violência estaria nos níveis atuais? Será que a falta de solidariedade do ser humano em sua grande maioria, já que toda regra tem exceção, é uma das causas ou efeito da violência que enfrentamos hoje? Não sabemos avaliar sua extensão, mas com certeza se cada um de nós fizer a sua parte, isto é, tratar o nosso semelhante com o devido respeito e consideração, solidarizando com ele nos momentos oportunos, iremos criar um espírito favorável nas comunidades em que vivemos. Não é esse o nosso papel?
    Os nossos objetivos devem ser : “Criar e incentivar o espírito de respeitosa consideração entre os povos…”, “Incentivar a prática da boa cidadania…”, “Interessar-se pelo bem estar cívico, social e moral da comunidade.”, Mantermo-nos unidos pelos liames da amizade, do companheirismo e da compreensão mútua.” Façamos a nossa parte, não só cumprindo nossos objetivos, como também levantando a bandeira da solidariedade e sobretudo, apoiando / criando programas sociais, tais como : conscientização de cidadania, preservação do meio ambiente, erradicação do analfabetismo, uso racional da água potável entre outros, fáceis de serem implementados, bastando apenas boa vontade.
    Enfim, sejamos lmais solidários, na acepção dos compromissos que conscientemente assumimos. Tenhamos coragem de levantar bem alto as Bandeiras da Solidariedade. Fim à hipocrisia!

    Obrigado, Dr. Hugo. QUE O SEU EXEMPLO DE CIDADANIA E SOLIDARIEDADE TOQUE O CORAÇÃO DE MUITA GENTE QUE IGNORA A MALDADE E AS INJUSTIÇAS QUE ACONTECEM COM OS OUTROS.

  15. LUÍZA GUIMARÃES 16/12/2010 at 6:18 pm #

    OI UM HEROI, NÃO EVITOU O CRIME PQ NEM IMAGINAVA O QUE ACONTECIA, MAS SE NÃO FOSSE ELE PASSAR ALI NO MATAGAL E AINDA TER A IDÉIA DE ANOTAR AS PLACAS, COM CERTEZA TERIAM FICADO IMPUNES, OS FRENTISTAS SÓ FALARAM DA EMBOSCADA APÓS MUITA INSISTÊNCIA, ENTÃO NÃO CREIO QUE ESPONTANEAMENTE IRIAM FALAR SOBRE O QUE VIRAM. ENTÃO HOJE, PROVAVELMENTE GUILHERME AINDA ESTARIA FAZENDO NOVELAS, TERIA TALVEZ SE ENVOLVIDO EM MUITAS POLEMICAS MAS NINGUEM PENSARIA O QUE ELE FEZ COM A DANIELLA PEREZ. ELE TERIA DADO MUITAS ENTREVISTAS FALANDO DELA, DO CONVIVIO COM ELA, COMO ELA ERA DOCE, MEIGA, COMO ERAM AMIGOS, SERIA LEMBRADO COMO O ATOR QUE A VIU PELA ULTIMA VEZ ANTES DO CRIME, QUE FOTOGRAFOU COM ELA E CRIANÇAS. IHHH EU ATÉ IMAGINO DIREITINHO NA MINHA CABEÇA O TEATRINHO QUE SERIA. IRIA COLAR NA GLÓRIA PEREZ PRA PODER SEMPRE FAZER NOVELAS DELA E TUDO MAIS. TALVEZ SE SENTISSE SEGURO PARA MATAR DE NOVO SE PRECISO FOSSE. ARGH DÁ NOJO SÓ DE PENSAR.

  16. Ana Clara 28/10/2010 at 2:52 pm #

    Glória,esse material do Dr. Hugo é maravilhoso!Seria muito bom também se vc pudesse postar aqui sobre seu encontro com Chico Xavier!!Beijos!!Fica com Deus!

  17. Ana Guimarães 17/06/2010 at 6:59 pm #

    Ele é literalmente a mão de Deus nessa história…..
    se não fosse por ele ter passado lá, os assassinos provavelmente teriam arrancada a placa do carro de Daniella e deixado o carro em qualquer canto……
    fora que não teríamos a testemunha visual do comparecimento da assassina ao ato brutal.
    Os frentistas viram somente o Guilherme e não a Paula.
    Hugo é um verdadeiro anjo.

  18. Fabiano Figueiredo 13/06/2010 at 8:12 pm #

    Ainda bem que existem pessoas como ele. Um verdadeiro exemplo de bom cidadão brasileiro, que desmascarou dois assassinos canalhas, cínicos, dissimulados e mentirosos. Hugo da Silveira consegue restaurar a fé na humanidade.

  19. Laura 13/06/2010 at 4:54 pm #

    🙂 Glória, você atendeu ao meu pedido!! Muitíssimo obrigada pelo material do Dr. Hugo… como disse em outro comentario, só queria que ele tivesse passado um cadinho antes pra impedir a tragédia. Um beijo enorme!!

Trackbacks/Pingbacks

  1. O matagal e a prova de visibilidade | Daniella Perez - 16/06/2010

    […] ao chamado dos moradores, responde na ALERJ, sobre o fato de a policia ter sido chamada depois que Hugo da Silveira viu um casal (Guilherme e Paula) dentro de um dos […]

  2. As muitas versões de Guilherme de Pádua – Confissão | Daniella Perez - 13/06/2010

    […] não aceita, e encurralado pela constatação de que havia uma testemunha visual -Hugo da Silveira- e de que a perícia havia constatado que adulterara a placa do seu carro para cometer o […]

Leave a Reply

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes